Início > 4º Álbum, Uncategorized > Honest words

Honest words

A jornalista australiana Myf deslocou-se de Melbourne até Londres para entrevistar Jonny e Chris em seu estúdio:

Logo no início, Chris afirmou que um número suficiente de pessoas escutaram o álbum para que ele seja lançado. Humilde e bem-humorado como sempre, porém, ele reconhece que as pessoas estão ou mentindo muito bem ou VLVODAAHF “não é tão ruim assim”.

Ao serem perguntados se por algum tempo ele recearam que o disco não fosse concluído, Chris hesita um pouco, enquanto Jonny graceja: “Uhm… Pelos últimos seis meses?” Assumindo um tom mais sério, o vocalista diz que para eles, enquanto banda, o CD nunca estaria finalizado.

Myf questionou também quantas canções foram abandonadas durante a gravação. Chris, pensativo, responde: “Algo em torno de nove ou doze… mil”. Nesse momento, é Jonny quem se atém a fatos, dizendo que “algumas músicas foram deixadas de lado, outras nunca passaram do plano das idéias”. Ele declara, enfim, que as faixas realmente terminadas serão lançadas.

Em consonância com afirmações anteriores, Chris reconhece o quanto estão contentes por terem trabalhado com os produtores Markus Dravs e Brian Eno. Em função disso, a banda quis dar o melhor de si: “Trabalhamos mais do que o necessário pelo simples fato de que talvez não tenhamos essa chance de novo”.

A entrevistadora se mostrou curiosa nas direções que banda e os dois produtores poderiam tomar, considerando a intensidade do processo de gravação. “Em algumas vezes, trabalhamos todos juntos, mas, na maioria do tempo, separadamente”, diz Jonny. “Brian costumava vir e nos ajudar com novos métodos e Markus, então, nos fazia trabalhar pesado.”

O início da parceria entre Eno e o Coldplay se deu quando o grupo perguntou ao prestigiado músico se ele poderia recomendar algum produtor para a banda, considerando que ela queria mudar. Logo, um trabalho que, inicialmente, teria pouca duração, resultou em um disco que levou quase dois anos para ser concluído.

Igualmente, a entrevista abrangeu as mudanças do Coldplay em relação aos discos anteriores, no que diz respeito às “fórmulas” (nas palavras de Chris) que a guiavam a banda e a criação de novas. Jonny completa: “Nós não queríamos cair na mesmice de forma alguma”. Após mais um momento espirituoso, Chris ressalta o fato de não quererem apenas ecos de dois anos atrás e, outrossim, terem certeza de que o que a banda a faz é empolgante e inovador: “Independente do que pensarem, há definitivamente progressão sonora.”

Baixe a entrevista: parte 1 e parte 2.

Créditos: Coldplaying.com (áudio) e Triple M Melbourne (fotos).

Anúncios
  1. Filipe
    8 Maio, 2008 às 8:43 pm

    “Ele declara, enfim, que as faixas realmente terminadas serão lançadas.”

    AEEEEEEEEEEEEEEE

    tomara…e tomara que as melhores estejam no disco

  2. crisantos
    9 Maio, 2008 às 2:31 pm

    Adorei ver que eles se renderam e estão ensaiando Shiver!! Ela tem que fazer parte do setlist pra sempre!

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: